http://visualprojetos.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/440290img1.jpglink
http://visualprojetos.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/2065211.jpglink
http://visualprojetos.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/5072290010.jpglink

Entenda como funciona o bitcoin, moeda que movimenta mais de R$ 10 bi no mundo PDF Imprimir E-mail
Segunda, 31 de Agosto de 2015 15:27

Uma moeda que não pode ser sacada em caixas eletrônicos, mas é capaz de cruzar o planeta em poucos minutos. Essa é uma definição básica do bitcoin. Trata-se de uma inovação tecnológica criada há seis anos e com um horizonte promissor, segundo especialistas.

O bitcoin ou BTC (abreviação) circula somente no meio digital, ou seja, em computadores, tablets e smartphones. Ele tem uma cotação própria, que varia de acordo com cada moeda. Por exemplo, 1 BTC vale hoje algo em torno de R$ 880 reais — cotação que varia todos os dias. Porém, também é vendido fracionado.

As compras e vendas são feitas por meio de casas de câmbio específicas. A pessoa cria uma conta com créditos em reais que são usados para adquirir bitcoins. É possível fazer o caminho inverso.

Com a conta criada, é possível receber bitcoins ou enviar dinheiro para outras contas. Essa é uma das grandes vantagens da moeda, segundo o professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas Alexandre Linhares.

— A gente pode conversar duas horas via Skype com alguém que está na Mongólia ou no Azerbaijão e não consegue mandar um centavo para essa pessoa. Enviar pequenas quantias para o exterior pelo sistema convencional é algo praticamente impossível. Mas com o bitcoin, isso é viável.

Grosso modo, o bitcoin é como se você enviasse um e-mail com dinheiro para uma pessoa. Ela tem a opção de utilizar esse valor para adquirir produtos e serviços ou de convertê-lo para a moeda local, aí sim usando o sistema bancário tradicional.

Estão em circulação hoje cerca de 14,5 milhões de bitcoins, algo avaliado em torno de US$ 3,3 bilhões (mais de R$ 11 bilhões). Diariamente, são jogados na rede lotes de bitcoins que são minerados por usuários, por meio de computadores com grande capacidade de processamento.

Como o próprio nome sugere, o trabalho é muito parecido ao de procurar ouro, mas consiste em uma sequência de valores criptografados. Essa estratégia permite que a moeda seja injetada aos poucos e não perca o valor de mercado.

No Brasil, o MercadoBitcoin funciona como uma casa de câmbio virtual e tem hoje cerca de 100 mil usuários cadastrados, segundo o CEO da empresa, Rodrigo Batista.

— O principal uso para os brasileiros, que eu consigo reparar, são pessoas fazendo pagamentos para o exterior. Quando eles pagam com bitcoins, não precisa pagar IOF [Imposto sobre Operações Financeiras]. Mas ainda assim, a maioria, acho que 90%, usa como investimento.

Sem lei específica, moeda digital ainda precisa conquistar confiança dos brasileiros

Aplicar em algo virtual e ainda sem regulamentação no Brasil pode parecer algo arriscado. E realmente é. Nos últimos anos, a cotação do bitcoin apresentou grandes oscilações em curtos espaços de tempo, algo que Batista aposta que irá diminuir.

— Eu acredito que conforme o bitcoin vá se espalhando pelo planeta, e isso tem acontecido aos poucos, essas oscilações tendem a diminuir. Usar o bitcoin como investimento ou como uma forma de guardar é algo de risco. Mas é a mesma coisa que você comprar ações na bolsa de valores.

Outra questão que causa polêmica é o anonimato em torno dos usuários do bitcoin. Todas as transações que ocorrem na rede são públicas, mas a identidade de quem as faz não é. Há casos de crimes envolvendo esse meio de pagamento. Um dos mais conhecidos foi o do site Silk Road, que vendia drogas e recebia pagamento em bitcoin. O dono foi preso nos Estados Unidos.

Perdeu algum programa da Record? Assista no R7 Play

Porém, Batista garante que o anonimato não existe.

— No bitcoin, quando se olha as transações, que são todas públicas, não se sabe quem é a pessoa que está vinculada a ela. Mas essas transações passam por bancos, por empresas como a minha, que exigem identificação. É possível seguir o rastro do dinheiro. É tudo registrado na rede e essas informações são públicas.

O fato de o bitcoin ser relativamente novo e uma tecnologia complexa é uma barreira para muita gente. Mas o professor Alexandre Linhares diz acreditar que com os investimentos que estão sendo feitos será possível aperfeiçoar e tornar a moeda digital acessível.

— Este ano, mais de US$ 1 bilhão foi investido em startups de bitcoins. Hoje, o dinheiro não está indo para comprar bitcoin em si, mas sim para as startups. E tem também o investimento na mineração de bitcoins, que traz mais segurança para as transações da moeda.

Ele cita uma dessas empresas, a Xapo, que tem como conselheiros Lawrence Summers, ex-secretário do Tesouro dos EUA e ex-presidente de Harvard; Dee Hock, fundador e ex-presidente da empresa de cartões Visa; e John Reed, ex-presidente da Bolsa de Valores da Nova York.

Os grandes avanços dessa tecnologia estão acontecendo no Vale do Silício (Califórnia), em Londres, no Japão e em Berlim. No Brasil, o Banco Central diz que acompanha as discussões sobre o tema para, se necessário, adotar medidas de regulação.

http://noticias.r7.com/economia/entenda-como-funciona-o-bitcoin-moeda-que-movimenta-mais-de-r-10-bi-no-mundo-30082015

 
« InícioAnterior12345678910PróximoFim »





Salvador/BA | Avenida Tancredo Neves, 1222 Ed. Empresarial Catabas Tower Conj. 1003 | Telefone/Fax: +55 (71) 3341-8878 | E-mail: visual@visualprojetos.com
Santo Antonio de Jesus/BA | Shopping Vila Inglesa Cj. 132 | Telefone/Fax: +55 (75) 3631-4419 | E-mail - visualsaj@visualprojetos.com

Visual Projetos e Consultoria Empresarial - Salvador - Bahia | Design e otimização por Barutti.com.br